Crianças e adolescentes em casa: como lidar com as situações causadas pela pandemia do coronavírus?

Crianças e adolescentes em casa: como lidar com as situações causadas pela pandemia do coronavírus?

Coronavírus. Confira estratégias que podem ajudar os pais a continuar a aprendizagem e entreter crianças e adolescentes, ao mesmo tempo em que concilia o trabalho em casa

Temos que ficar em casa por duas semanas porque, se o coronavírus não vê ninguém, ele vai embora”.

A fala de um garotinho de 5 anos sobre as aulas suspensas, que circula pela Internet, evidencia a sensibilidade das crianças diante da pandemia do coronavírus.

A COVID-19 causou o fechamento de escolas no mundo todo, afetando a educação de mais de 290 milhões de estudantes. O número recorde foi levantado pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

Com a suspensão das aulas presenciais, os pais estão enfrentando novas dinâmicas para gerenciar a continuidade da aprendizagem, a atenção direcionada aos filhos, as rotinas domésticas e o trabalho.

Ajude as crianças e adolescentes a lidar com as emoções

Diante de tantas informações, mudanças na rotina e até privações, é normal que nossos filhos fiquem com raiva, tristes e estressados. É comum que sintam medos ou considerem-se “de férias”, almejando todo o descanso e diversão que um período como esse contempla. Precisamos considerar que crianças e adolescentes podem perceber e reagir de maneiras diferentes a essa situação gerada pelo coronavírus, afinal, ela é nova para todos, inclusive para eles!

Por isso, esse é um bom momento para conversarmos sobre empatia, colaboração e respeito, explicando porque protegendo a si próprios, eles também estão protegendo outros. É importante falar de medos (há crianças que estão com medo de perderem pessoas queridas para o coronavírus), de inseguranças e de sentimentos como amor e saudade.

A situação é propicia para também trazermos alguns conteúdos sobre emoções e sentimentos e abrirmos espaço para que os filhos sintam-se à vontade para falar sobre o que estão sentindo. Para isso:

  • Explique a situação de forma adequada à faixa etária. Dê exemplos do que pode ser feito para se proteger do vírus e pergunte a seu filho o que pensa de tudo isso.
  • Ouça suas preocupações, ofereça conforto e seja afetivo. Acolha seus sentimentos sem críticas. Não os menospreze. Elogie sua coragem em expor o que sente e assegure-lhe que estão tomando todos os cuidados e que, com a precaução devida, ele pode se sentir seguro.
  • Crie oportunidades para que seu filho brinque e relaxe em casa. Encontre momentos para se divertirem juntos.
  • Conversem sobre a diferença entre um período de férias e um afastamento escolar e sobre a necessidade de estudarem a distância. Mostre que esse é um aprendizado novo para toda a sociedade: alunos, escolas e pais não tiveram tempo de se preparar para isso, portanto, todos terão que somar forças para lidar com essa nova realidade. “É hora de cada um assumir seu papel com muita responsabilidade, afinal, é o futuro de vocês que está em jogo. Essa responsabilidade não é apenas da escola.”
  • Ajude seu filho a montar um cronograma para esses dias e a organizar seu tempo: tempo de diversão, tempo de descanso, tempo de estudo. O que pode/deve ser feito em cada um deles?
  • Converse com seu filho sobre novas demandas de ajuda em casa (seja para limpeza, para preparação das refeições ou para organização em geral); muitas rotinas precisarão de readaptadas nessa fase e eles precisam fazer parte delas.

Como os pais podem continuar a aprendizagem em casa?

Para os pais de crianças maiores e adolescentes, uma das maiores dificuldades neste momento é fazê-los entender que esse afastamento da escola não significa que estão de férias.

Cada escola tem autonomia para decidir quais serão os procedimentos e ferramentas adotadas. Dessa forma, os pais podem trabalhar em conjunto com a escola para definirem o que é mais adequado de acordo com as suas realidades. Portanto, é necessário ficar atento às comunicações e orientações da escola.

De toda forma, o momento pode ser aproveitado para continuar os estudos em casa, seja revisando os conteúdos, iniciando a leitura dos livros que tem em casa ou conhecendo novos através de ferramentas tecnológicas. E as dicas abaixo podem ajudar:

  • Defina combinados junto com os filhos: esclareça que não se tratam de férias escolares, mas de um afastamento temporário das aulas presenciais. Assim, como farão para continuar estudando em casa?
  • Estabeleçam juntos uma rotina para o bom andamento de todos os afazeres (horário para acordar, dormir, se alimentar, brincar, utilizar eletrônicos).
  • Programem o estudo: ajude seu filho a estabelecer um horário e uma rotina para o início das atividades enviadas pelas escolas ou para as revisões dos estudos. Como e quando ele prefere estudar? Quais evidências nos darão a segurança da qualidade da aprendizagem? O que precisa ser feito? (definam metas e objetivos diários).
  • Reforce limpeza das mãos e dos pulsos com sabão e aumente da frequência dessa prática.

E o que fazer com as crianças e adolescentes durante a quarentena?

Os momentos de descanso, brincadeira e interação com os pais em casa são super importantes. Ao mesmo tempo, sabemos o quanto pode ser difícil conciliar a atenção direcionada às crianças com o trabalho e os afazeres domésticos.

  • Explique que também está trabalhando: caso esteja fazendo Home Office, explique a seu filho que em certos momentos precisará que aguarde porque está trabalhando em casa e precisa se dedicar ao trabalho em alguns momentos.
  • Façam as atividades domésticas juntos: as tarefas domésticas é uma ótima ferramenta para construir a autonomia, o respeito e até mesmo a consciência social das crianças e adolescentes. Confira aqui mais detalhadamente.
  • Promova a leitura: A leitura ajuda a estimular o cérebro e a interpretação. Aproveite para ler para seu filho e conversar com a criança sobre o que foi lido.
  • Planeje atividades: Que tal cozinhar em casa? Um bolo diferente e bem gostoso pode ser estimulante! Aposte em atividades para entreter seu filho e desenvolver suas capacidades.
  • Podem ainda assistir filmes e séries, ouvir música, brincar, encenar alguma historinha. Sem limites para a criatividade!
  • Estreite laços familiares: Estimule mais conversas olho no olho com todos da família. Jogos de tabuleiro ou de cartas também podem garantir uma nova diversão.
  • Aprendam a aprender juntos: quantas coisas bacanas podemos descobrir pela internet? Que tal seu filho combinar de estudar, conversar ou brincar com amigos usando reuniões online? Google Hangouts, whattsapp, Skype oferecem ferramentas para isso.
  • Já pensaram em frequentar museus online? E os diversos aplicativos que estão sendo abertos gratuitamente nesse período de quarenta? Já conhece? Seguem algumas opções:

Museus: Pinacoteca de BreraGaleria Uffizi/FlorençaMuseus do Vaticano/RomaMuseu Arqueológico/AtenasPrado/MadridLouvre/ParisMuseu Britânico/LondresMuseu Metropolitano/Nova IorqueHermitage/São PetersburgoGaleria Nacional de Arte/Washington

Guia Tempojunto Covid-19: Brincadeiras e atividades para os filhos em tempo de Coronavírus

Português: Contadores de EstóriasJanelas sobre o amorHistórias para os mais pequeninos.

Matemática: Khan Academy, FunbrainX traMath

Ciências: Era uma vez

Natureza: A Horta EncantadaScience KidsNational Geographic Kids

Astronomia: Astronomy for KidsNasa Kids Club, Nasa

STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática): Manual do Mundo, The Critical ThinkingThe Homeschool Scinetist

História: Biblioteca Digital Mundial

Geografia: SeterraWorld Geography GamesGeografia7

Arte: Art for Kids Hub, Kid at ArtThe Imagination Tree

Idiomas: BBCDuolingoBritish Council

Programação: Blockly GamesScratchDK Find Out

Vários temas/cursos: SenecaOpen LearniDEA