Escola e família: uma responsabilidade complementar

Escola e família: uma responsabilidade complementar

Escola e família não dividem responsabilidades, somam esforços!

A educação de uma criança é um assunto tão sério que, muitas vezes, até mesmo adultos bem preparados sentem dúvidas em alguns momentos.

Já dizia o provérbio: “É preciso uma aldeia inteira para educar uma criança.”

As experiências que crianças e adolescentes vivem na escola são diferentes das que experimentam em casa.

Importância e representatividade de pais, adultos de referência na família e de professores não são as mesmas, mas todos são fortes referências para a formação humana desses alunos que ainda não estão prontos para lidar com a vida sozinhos.

E do que eles precisam? De coerência em atos e palavras, de afeto, de atenção, de respeito, de AMOR vindo de todos os lados.

Precisam experimentar essas relações no seu dia a dia, precisam encontrar apoio quando buscam, precisam de olhares que os notem, de ouvidos que os escutem atenta e afetivamente.

E qual a nossa responsabilidade enquanto adultos? Sermos exemplos coerentes, colaborativos, equilibrados.

Escola e família não dividem responsabilidades, mas somam esforços. Precisamos entender essa importante matemática nas relações adultas entre escola e família.

Não se trata de uma disputa, em que responsabilidades são delegadas ou separadas, cobranças pelo que se paga ou exigências pelo que se deveria ter feito em casa tornam-se motivos para críticas e culpas.

Há que se perceber que estamos todos num mesmo barco, unindo forças que neutralizem fraquezas em prol de um objetivo maior: a educação de nossos filhos e alunos.

Escola e família não são entidades separadas para os alunos. São estruturas que se somam para sua edificação.

A criança é um ser integral e assim são suas experiências. O aluno não divide escola e família em sua formação, mas se desenvolve a partir das experiências que vivencia nesses dois núcleos. Essa são experiências complementares, que se somam na estruturação de sua personalidade.

Por isso é tão importante que ataques e defesas sejam recolhidos e que exercícios de soma, de empatia e de apoio sejam compartilhados entre escola e família.

Cada lado tem seu papel, cada lado tem suas limitações e suas potencialidades, tem suas dúvidas e sua sabedoria e a soma dos melhores esforços que pudermos dedicar juntos a essa relação certamente culminará na melhor educação que nossos filhos e alunos podem receber!

Como posso ser eu mesmo a mudança que gostaria de ver nessa relação? Para saber mais, clique aqui.