Inteligência emocional é habilidade crucial para o século 21

Inteligência emocional é habilidade crucial para o século 21

Inteligência emocional e capacidade de humanização são diferenciais num mundo cada vez mais tecnológico

Inteligência emocional se aprende e as competências sociais serão absolutamente cruciais no futuro.”

Essa frase do renomado psicólogo Daniel Goleman, conhecido como pai da Inteligência Emocional, nos traz à uma realidade que urge aos nossos olhos: a Importância dessa habilidade nos dias de hoje e a extrema necessidade que ela alcançará no futuro.

Numa época de grandes e rápidas mudanças, em que a inteligência artificial ganha mais espaço e assume cada vez mais processos operacionais, a capacidade de humanização, a qual a máquina ainda não consegue substituir, terá cada vez mais valor.

Isso significa que empatia, criatividade, pensamento crítico e capacidade de resolver problemas e desafios se tornarão grandes diferenciais em qualquer profissão.

Hoje, erros já não são vistos como problemas e motivos de vergonha, mas como fonte de aprendizado, visto que sem tentar, não é possível inovar.

Assim, habilidades socioemocionais são reconhecidas como estruturais para o desenvolvimento humano. Elas funcionam como o pano de fundo para tudo aquilo que vivemos e podem,- devem, na verdade, ser aprendidas desde cedo nas escolas, afinal, tudo o que se desenvolve na infância impacta o que vem depois, além de ser mais duradouro, barato e eficaz.

Nesse cenário, nosso desafio enquanto pais e educadores é enorme: educar crianças numa realidade totalmente diferente daquela em que crescemos, lidar com os inúmeros desafios que a tecnologia nos traz e ter que trabalhar com algo que, para muitos, acaba sendo deixado de lado: as emoções.

Enquanto muitos de nós aprendeu a não olhar para elas e a “engolir o choro”, agora precisamos acolher esse choro e ensinar nossos filhos a gerenciar suas emoções.

Mas por onde começar?

Essa resposta é pessoal e intransferível! Cada um conhece a sua realidade e de nada adianta olhar para todo o caminho que ainda falta ser percorrido ou para todos os erros que já cometemos antes. Isso só alimenta a culpa e o medo: duas emoções que não irão nos ajudar nesse momento.

O que precisamos fazer é olhar para a frente, para as possibilidades que enxergamos hoje e para o próximo degrau que somos capazes de subir.

Como posso ser hoje, melhor do que fui ontem? Quais são as pequenas mudanças que posso promover no meu dia para que possa desenvolver minha inteligência emocional?

Tal qual ginástica numa academia leva tempo para fortalecer os músculos, o treino constante fortalece as competências emocionais.

E todos podem treiná-las, desenvolvê-las e aprimorá-las. Afinal, o ser humano não deixa de aprender nunca!

Se quiser se aprofundar mais no tema, leia entrevista completa de Daniel Goleman clicando aqui.

Um abraço,
Renata Melo