Volta às aulas: confira dicas para ajudar na adaptação das crianças na escola

Volta às aulas: confira dicas para ajudar na adaptação das crianças na escola

Preparo emocional dos adultos reflete nas crianças que passam a se sentir mais seguras

A volta às aulas é motivo de ansiedade natural para as crianças e, principalmente, para os pais e professores. Olhar para o emocional de todos os envolvidos nesse processo de retorno é essencial. Isso porque tudo o que os adultos sentem reflete nas crianças, que também estão sentindo um turbilhão de emoções.

A entrada ou retorno à escola depois de um tempo de férias gera uma série de expectativas, ansiedades e dúvidas. Por isso, é importante que os pais e professores não se sintam sozinhos, frustrados e saibam que o autocuidado emocional é o primeiro passo a ser dado para lidar com essa adaptação.

Insegurança, medo, irritação, choro ou regressões de comportamentos são naturais. As crianças estão saindo de seu ambiente original e seguro para a exploração de um novo espaço e relações mais amplas que trarão muitas descobertas, alegrias e, até mesmo, apreensões.

Como nós, na Ludie, sempre afirmamos, é preciso respeitar o tempo de cada criança, permitindo que criem laços, sintam-se aceitas, reconheçam os pares, espaços e novidades. Portanto, mostrar a elas que não é errado sentir medo ou ficar triste, mas que podem dizer o que estão sentido e que você pode ajudar para que se sintam melhor, são fatores determinantes para uma rápida e consistente adaptação.

Nessa situação, aceitar e acolher esses sentimentos com carinho fará muita diferença na formação emocional da criança. Nosso papel é dispor de mecanismos que ajudem-na a compreender que a mamãe, o papai ou um adulto que gosta muito dela voltará para buscá-la e que isso não representa um abandono.

Se houver possibilidade, a “separação” pode ser feita de forma gradual. Assim, os pais devem ir se ausentando por períodos curtos inicialmente e consecutivamente estendendo o tempo, de acordo com a adaptação da criança.

Mesmo que sofram, os pais devem sorrir e afirmar tranquilamente para a criança que está tudo bem, que ela vai ser muito bem cuidada e que se divertirá na escola. Estes são facilitadores que podem reduzir a tensão e a duração desse sofrimento por parte das crianças.

Neste processo, o primeiro ponto essencial é evitar despedidas dramáticas, duradoras e carregadas de emoções, que podem dificultar a entrada e a segurança da criança na escola. Nesse momento, é necessário ser firme e prático em suas atitudes frente à criança. Adultos seguros estimulam as crianças a serem felizes e confiantes.

O segundo ponto é entender que certas conquistas vêm acompanhadas de algumas dificuldades, que são importantes para o amadurecimento das crianças. E a escola é um ótimo lugar para isso acontecer!

Confira dicas para os pais ajudarem as crianças nessa adaptação

  • Mostre o uniforme, a mochila e os materiais com entusiasmo. Se possível, visite a escola com ele algum dia.
  • Procure o professor ou o coordenador sempre que se sentir inseguro para que juntos pensem na melhor estratégia de adaptação de seu filho.
  • Procure não assumir uma postura de superproteção durante a separação do filho na escola. Assim, você trará segurança à criança quanto ao novo ambiente e aos novos cuidadores.
  • Despeça-se do seu filho sempre que possível. Lembre-os de que essa despedida precisa ser segura e tranquila.
  • Ajude a compreensão dele sobre a sua ida e que voltará mais tarde: “O papai (ou outro adulto) está indo trabalhar (por exemplo). Mais tarde eu volto para te buscar. Você vai aprender e se divertir bastante aqui na escola hoje com sua professora e seus amigos!”.
  • Na hora da saída, comente sobre o seu retorno para continuar o processo de adaptação: “Olá, filho, vim te buscar! Você aprendeu, brincou e se divertiu na escola e agora vai para casa. Amanhã a gente volta para se divertir mais!”. Isso trará confiança à criança e a fará sentir a escola como um local prazeroso e desejado. Assim, logo encontrará na escola um lugar que ela sempre quer voltar para depois chegar em casa contando como foi o dia.

Confira dicas para os professores ajudarem as crianças nessa adaptação

  • Acolha as crianças, dando-lhes muito afeto e a ideia de que “está tudo bem”.
  • Converse com as crianças de forma calma e afetiva.
  • No caso dos bebês, nos momentos de ansiedade, lembre-se de que o choro não é uma birra, mas, sim, uma dor verdadeira do pequeno. Portanto, aconchegue-o, transmitindo confiança.
  • Faça a transição da criança e dê tempo a ela para que se acostume com sua nova realidade. Lembre-se: as crianças são diferentes e, por isso, não podemos definir padrões de adaptação. Umas sentirão mais, enquanto outras se adaptarão mais rapidamente.
  • Ajude a compreensão das crianças sobre a ida dos pais e que estes retornarão mais tarde: “Veja, o papai (ou outro adulto) está se despedindo, dê tchau para ele. Mais tarde ele volta para te buscar. Vamos nos divertir bastante aqui na escola hoje!”.
  • Na hora da saída, comente sobre o retorno de seus pais para continuar o processo de adaptação: “Veja, a mamãe (ou outro adulto) voltou. Você brincou e se divertiu na escola e agora vai para casa. Amanhã nos divertiremos mais!”. Isso trará confiança à criança e a fará sentir a escola como um local prazeroso e desejado.